Posts Tagged 'Heresias'

Quanto mais chato, melhor!

Tenho uma opinião muito particular sobre música e literatura modernas – artes em que me sinto competente o bastante para dar pitacos aleatórios: parece-me que, na virada do século XX e até hoje, a palavra de ordem é: “Quanto mais chato e incompreensível, mais superior é uma obra”. Joyce, Woolf, Schönberg e Berg parecem-me ótimos exemplos. Creio que o velho Machadão fez tanto quanto os modernosos do século XX, só que de um jeito muito mais gostoso, sem precisar ser chato.

Aliás, a crítica literária e musical parece elevar a imensos patamares exatamente aqueles caras mais impossíveis de entender. E se alguém ousa reclamar, é tachado de ignorante, incompreensivo, de alguém que “ainda” não entendeu a profundidade dessas coisas.

Sempre desconfiei que houvesse um quê de “o rei está nu” nessas coisas. Quer dizer, no fundo, o crítico também acha aquilo um baita dum porre, mas precisa dar uma de fodão e falar que aquilo é genial, nós é que não estamos à altura de entender.

Daí, ninguém menos que o mega super power fodão Moz, popularmente conhecido como Wolfgang Amadeus Mozart, me vem com esta:

“Para ganhar aplauso, é necessário escrever coisas ou tão insossas que qualquer cocheiro consegue cantar, ou tão initeligíveis que nenhum homem sensível é capaz de entender.”
(Fonte: gloriosa Wikipedia)

Pois é. Então, essa impostura de “quanto mais incompreensível, mais profundo” não é de hoje… Parece ser razoavelmente antiga.

Isso me deu uma boa aliviada. Costumeiramente faço exercícios de adentrar a arte moderna, especialmente a música: “caço” compositores aleatoriamente em lojas e no PQP Bach e faço um compromisso de obrigar-me a ouvir umas 3 ou 4 vezes cada obra antes de dizer que ela é chata. Tenho o privilégio de orbitar a Osesp, que sempre faz encomendas de obras novas, que, para a tristeza dos meus ouvidos, sempre me forço a ouvi-las.

Mas, bem, em 99% dos casos, as obras modernas continuam chatas após umas 10 audições. Então devem ser chatas mesmo. E a observação de Mozart, atestando a antigüidade da impostura do “quanto pior, melhor”, me faz me sentir muito mais à vontade para acusar: “O rei está nu! E é chato pra burro!”

Uma coisa triste que “oubservo” é que freqüentemente elas têm 4 ou 5 minutos muito legais, imersos no meio de 60 e tantos da mais pura e modorrenta chatice. Tenho impressão parecida com a referida literatura moderna da virada do século XX – algumas sacadas geniais imersas em milhares de páginas de chatice heideggeriana. No fim das contas, não vale o esforço.

Os escritores e músicos modernos deviam aprender essa lição – parar de fazer coisas chatas e incompreensíveis para impressionar apenas o seu círculo restrito, mandando os pobres mortais à PQP. Ou ao PQP (Bach), do que eu não reclamaria. Acho que, no fundo, é porque é difícil fazer coisas agradáveis. É bem mais fácil fazer uma cacofonia sonora enterrada numa orquestra gigantesca (para impressionar) e deopis chamar os críticos de burros, despreparados, passadistas e preconceituosos contra a música moderna.

Advertisements

Facenew – Cara nova

O blog está de cara nova! Com direito a uma sensacional header image desenhada com carinho e profissionalismo pela Adriana. A cor de fundo, coerentemente com o caráter blasfêmico deste blog, é #666666, que nem nesta lista engraçadinha. O lay-out é o mesmo (K2-Lite), porque não conseguimos encontrar coisa melhor. O Misty Look seria o ideal, mas ele deixa pouco espaço para edição do cabeçalho.

Aliás, se alguém souber como faz para editar as coisas de maneira mais livre no WordPress, pelamordetodososdiabos me avise. Não é possível editar muita coisa por aqui, o lay-out já te dá tudo pronto, e alguns não lhe permitem nem trocar a header image. Possível até é, mas é necessário manjar muito de CSS e programar na unha.

Sugestões para um novo domínio menos totalitário onde hospedar meu blog também são sobremaneira bem-vindas.

A lista de links foi totalmente atualizada. Incluí gente que eu já lia há bastante tempo, mas por pura preguiça não constava lá (mal aí, Vinícius e Cynthia!). A maior novidade nela é a categoria “internet afora”, que abrange links bacanas que não são em formato de blog. A “humor” é uma categoria mista, pois o Um Sábado Qualquer e o Fail Blog têm formato de blog, mas todos os outros (XKCD, Dilbert, PHD), não. De todo modo, optei por deixá-los na mesma rubrica. Dividi-los em prol da dicotomia “blog/não-blog” só ia bagunçar a cabeça do leitor (e a minha).

O título do post é uma das minhas heresias favoritas: aquela contra a tradução de qualidade. Inspirei-me neste motivational para fazê-la:

Copiei a imagem daqui, mas muito provavelmente ela brotou do 4chan.


Últimas piadas

Error: Twitter did not respond. Please wait a few minutes and refresh this page.

Calendário gregoriano

October 2017
M T W T F S S
« Mar    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Almas perdidas

  • 9,964 almas